Acorda

O dia nasce apressado…
Os quadros enfileirados
No álbum em movimento
Mostram rostos sonolentos.
De ponto em ponto, entra e sai
Gente pronta para a luta:
Uns sem café, uns sem sonho,
Uns, preguiça da labuta.
Pessoas brotam nas ruas
E correm feito ponteiros
Marcando a hora apressada
No meio de um fevereiro.
A vida tem dessas coisas!
É sexta de carnaval.
Desperta uma gente afoita:
Um que corre arrastando a mala
Para ser mais um folião;
Outro que se arrasta lento
Por dentro vai remoendo
Mais um dia, mais um leão…
Mais lento é o meu despertar
Na pressa doida do dia
De um sol que já está de rachar
Café sem preço e sem hora
Vai me botando pra fora
De mim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *