Entre parênteses

Passou aqui uma brisa de poesia
(uma tristeza, uma angústia, um sei lá quê)
Talvez eu possa escrever da maresia
(uma dor de não saber bem o porquê)

Certos momentos me tragam de repente
(lembranças vêm e vão sem fixar)
E dá vontade de retorno até a semente
(refazer tudo, enfim, recomeçar)

Mas, claro, voltar não é mais possível
(o jeito é seguir com ou sem tropeço)
Vou, então, sem promessa nem sentido.

Refaço a estrada e um piquete desprezível
(é bem verdade, tudo na vida tem preço)
E sigo, ainda que a passo contido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *